Nesta edição, o legado de décadas de um Brasil desenvolvimentista é apresentado por Liszt Vieira e Maria Emília Melo ao radiografarem “A Fome no Brasil”. As perspectivas futuras para um desenvolvimento sustentável ou ecodesenvolvimento são tratadas por Philippe Pomier Layargues, que discute as diferenças entre estes dois conceitos. A noção de sustentabilidade é problematizada por Henri Acselrad através da crítica aos conceitos de eficácia, escala, equidade, auto-suficiência e ética e de sua relação com a afirmação da democracia. Numa perspectiva mais próxima das experiências particulares em curso atualmente, Thomas Fatheuer discute a possibilidade de uma “Alemanha Sustentável”. Jean-Pierre Leroy apresenta uma reflexão sobre as dinâmicas locais e regionais como espaços de criação e experimentação na busca do desenvolvimento sustentável. Maria Emília Lisboa Pacheco discute, na perspectiva de gênero, o sistema de pequena produção na agricultura familiar como uma alternativa para a construção de um novo modelo de desenvolvimento. Raimunda Monteiro aborda o mesmo tema da agricultura familiar com sua componente ambiental na região transamazônica. Finalmente, em entrevista, José Eduardo de Campos Siqueira, secretário Municipal do Meio Ambiente da cidade de Santos, relata a experiência de uma administração municipal que buscou enfrentar os problemas ambientais numa perspectiva de participação popular.