Notícias

25/05/2007Mato Grosso

Agroextrativismo traz segurança alimentar ao MT

No mesmo dia em que a CTNBio liberava a comercialização do milho transgênico da multinacional Bayer, pequenos agroextrativistas do Mato Grosso realizavam o primeiro Encontro do Agroextrativismo do Pantanal. O evento foi produzido pela FASE Mato Grosso


André Alves*

Cumbaru, pequi, jatobá, mangava, cagaita. O cerrado possui milhares de plantas medicinais e uma outra quantidade expressiva de frutos que servem para alimentação humana e que são ricos em vitaminas e nutrientes. No entanto, as espécies nativas nem sempre são bem utilizadas pela população, principalmente em uma região em que a migração de famílias é muito intensa, como em Mato Grosso. Ajudar a impulsionar o agroextrativismo sustentável foi a forma que a FASE – Mato Grosso encontrou para unir conhecimento e valorização ambiental.

Agroextrativistas de sete comunidades participaram do primeiro Encontro do Agroextrativismo do Pantanal, uma promoção da FASE que aconteceu na cidade de Cáceres entre os dias 16 e 18 de maio. Beneficiados pelo projeto Segurança Alimentar e Intercâmbio de Saberes Ambientais, eles apresentaram a produção de alimentos de suas comunidades e discutiram como melhorar o uso do Cerrado, garantindo a sustentabilidade deste ecossistema.

A futura pedagoga Cíntia Masuí, que mora na comunidade de assentados São José, conta que no seu assentamento o projeto começou com três mulheres e atualmente 12 pessoas participam da produção de doces, farinhas, licores, sucos e geléias. “Antes ninguém dava valor. O cumbaru só servia para madeira, para fazer cerca. Hoje se preserva o pé de cumbaru como se tivesse plantado um pé de limão, de laranja. Ao invés de derrubar as árvores, nós já estamos plantando”, diz Cíntia. Sua comunidade faz farinha, paçoca e doces do cumbaru. Da mangava é produzido o licor e da orvalheira, também conhecida como cagaita.

De acordo com Maurício Ferreira Mendes, biólogo e coordenador do projeto, o objetivo central é associar os produtos do cerrado com a produção agrícola convencional já realizada nas comunidades. Os pequenos produtores plantam o arroz, o feijão, a mandioca, criam seu gado, mas preservam espécies nativas devido ao seu uso para alimentação ou medicinal.

“Foi realizado um diagnóstico para identificar as principais potencialidades do cerrado na região de Cáceres para o uso alimentar, medicinal e econômico”, explica Maurício. De posse destes dados, a FASE fez um processo de sensibilização dos moradores sobre a utilização das espécies nativas. O jatobá, de acordo com o coordenador, é rico em cálcio, o cumbaru, em vitaminas, e o pequi tem betacaroteno, que se transforma em vitamina A no organismo além de ser anti-oxidante. “Além do valor alimentar e medicinal, também estamos olhando o econômico. A idéia é consumir em casa os produtos e o excedente ser comercializado. As comunidades estão expondo em feiras e a meta é levar os produtos nos mercados”, conta.

Por enquanto, os produtos são comercializados pelos grupos em feiras e eventos além de serem consumidos nas próprias comunidades, que estão valorizando cada vez mais o que o Cerrado dá. Está em curso também uma proposta de uma parceria com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para fornecer os produtos da merenda escolar dos municípios das comunidades.

Outras experiências – A experiência do agroextrativismo na região de Cáceres também é vivida em oturas regiões de Mato Grosso. Em Vila Bela da Santíssima Trindade, a 520 km de Cuiabá, agricultores familiares como Manoel Prado, que atualmente é secretário municipal de Agricultura do município, implantou o agroextrativismo em seu lote. Desde que começou a implantar o sistema agroflorestal no quintal de sua casa, além de perceber que a temperatura em volta ficou mais amena, vem descobrindo novos usos para as espécies que cultiva. “Temos três freezers sempre cheio de polpa de frutas como o araçá-boi, cupuaçu, pitanga, tamarindo, jamelão e outros”, comenta. “Eu e outros produtores estamos entregando polpa de frutas para a merenda escolar”. Manoel Prado, que participou do seminário da FASE, acredita que adquiriu novos conhecimentos para sensibilizar mais agricultores em seu município.

* André Alves é do Fórum Mato-Grossense de Meio Ambiente e Desenvolvimento

Enviando sua mensagem