Notícias

28/02/2013Mulheres

Mulheres Camponesas realizaram grande encontro

“Na sociedade que a gente quer, Basta de violência contra a mulher!”, reafirmaram


Lívia Duarte, jornalista da FASE, com informações da página da ANA

Entre os dias 19 e 21 de fevereiro o Movimento de Mulheres Camponesas realizou em Brasília o segundo grande encontro de sua história. Com a presença de agricultoras de 23 estados, além de militantes feministas e de outros movimentos sociais do Brasil e estrangeiras, elas exigiram o fim da violência contra as mulheres e debateram temas como agroecologia, alimentação saudável e crédito rural. Elas também afirmaram a luta por novos direitos – como licença maternidade de seis meses para as camponesas, um direito ainda urbano. A questão da aposentadoria também foi lembrada como fundamental para que não seja, no futuro, um direito perdido. Durante a maior caminhada do encontro elas fincaram cruzes lembrando dezenas de mulheres vítimas da violência no campo nos últimos anos.

Maria Emília Pacheco, da FASE, que é presidenta do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), lembrou durante o debate sobre alimentação saudável e feminismo que as 3 mil mulheres presentes não representam somente seus estados, mas também biomas e identidades próprias que compõe, na visão dela, a riqueza da sócio biodiversidade brasileira.

Maria Emília contou a trajetória de resistência do movimento agroecológico, representado principalmente na Articulação Nacional de Agroecologia (ANA). Explicou que, baseada em alguns princípios ligados ao conhecimento tradicional, a agroecologia funciona com base na diversidade utilizando ao máximo os insumos locais. É um sistema com a natureza, e não contra ela. “Capacidade de uso máximo dessa riqueza interna, não se reduz a uma dimensão tecnológica. Tem o ponto de vista social e econômico, não se faz sem o direito à terra. Por isso, defende a retomada da reforma agrária”, descreveu.

Uma das dirigentes do MMC, Rosangela Piovesani, afirmou que o evento foi “muito importante porque só com formação e organização que de fato a gente vai avançar no enfrentamento às desigualdades sociais e, em especial, a violência doméstica”. Ela também avaliou que o encontro foi muito positivo para o movimento, “As mulheres estão emocionadas, firmes, saem daqui com muita certeza de que temos de trabalhar cada vez mais nossa organização e nossa luta, a resistência pelo o que é nosso de direito”, afirmou.

Durante o encontro a Presidenta da Republica Dilma Rousseff assumiu o compromisso público de contribuir na efetivação da pauta entregue pelo Movimento de Mulheres Camponesas.

Saiba mais nas reportagens de Eduardo Sá publicadas na página da Articulação Nacional de Agroeologia.

 

 

 

Enviando sua mensagem