Notícias

29/10/2019Segurança Alimentar

Povos Originários e Comunidades Tradicionais protestam contra devastação socioambiental no Tocantins e Maranhão

As manifestações aconteceram na cidade de Imperatriz (MA), território que abarca a transição dos biomas Cerrado e Amazônia


Bruno Santiago¹

Nesta sexta-feira (25), povos originários, comunidades tradicionais, organizações e movimentos sociais da Articulação Tocantinense de Agroecologia (ATA) protestaram contra a devastação ambiental nos estados do Tocantins e Maranhão. As manifestações aconteceram na cidade de Imperatriz (MA), município que faz divisa com a região do Bico do Papagaio, território que abarca a transição dos biomas Cerrado e Amazônia.

Foto: Bruno Santiago

As ações buscam sensibilizar e conscientizar a população para a grave situação ambiental dos estados que já compromete o abastecimento de água, a saúde e a qualidade de vida das populações urbanas e rurais. O protesto passou por três localidades diferentes, primeiro em frente à Fábrica da Empresa Suzano Papel e Celulose, em seguida na Praça de Fátima, e, por fim, na Ponte Dom Afonso Felipe Gregori.

No primeiro ato, em frente à fábrica, cerca de 300 participantes realizaram um grande círculo de braços dados. Ao centro da roda dezenas de cruzes foram fincadas no chão, simbolizando a morte dos rios, das matas e dos povos da região tocantina, impactada pelas ações da Empresa.

De acordo com Rosalva Gomes, assessora do Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB), a degradação do Rio Tocantins e seus afluentes é um impacto direto das ações da Suzano em Imperatriz. ‘’Na comunidade onde eu fui criada temos dois brejos que estão praticamente secos. É perceptível a diminuição do volume do Rio Tocantins, que seca a cada ano. Isso acontece devido ao desmatamento e pela água que é utilizada na fábrica’’, ressalta.

Foto: Bruno Santiago

Interação entre o campo e a cidade

Os participantes se deslocaram para a Praça de Fátima, no centro da cidade, onde foi tratada a conjuntura de devastação e também houve a apresentação da agroecologia como alternativa de mudança desse contexto. Foram realizadas manifestações artísticas dos povos indígenas, quebradeiras de coco babaçu, quilombolas e juventudes rurais.

Para a jovem agricultora e estudante da Escola Família Agrícola do Bico do Papagaio, Antônia Ruth, é preciso mostrar para a cidade o que o campo está fazendo. ‘’Uma manifestação como esta que fazemos aqui hoje é importante porque podemos mostrar que estamos produzindo de maneira agroecológica e diversificada, sem precisar envenenar nossas plantações e rios, desmatar ou poluir’’, enfatiza.

Na sequência, os participantes se destinaram para a última parada do itinerário de manifestações, a Ponte Dom Afonso Felipe Gregori, que além de conectar os dois estados, passa por cima do Rio Tocantins. De maneira pacífica os manifestantes entoaram cantos e clamaram por suas demandas. Para finalizar o dia de protestos foram penduradas faixas de aproximadamente 20 metros com os dizeres: ‘’Agrotóxico mata’’, ‘’Suzano mata as águas’’ e ‘’Agroecologia é vida’’.

Devastação socioambiental

O desmatamento das florestas, a poluição dos rios e a contaminação de alimentos devido ao uso de agrotóxicos não são novidades nos estados do Tocantins e Maranhão. Acompanhando estes crimes ambientais estão também as violações de direitos territoriais dos povos indígenas e comunidades tradicionais, que sofrem diariamente com as consequências da expansão desmedida do Agronegócio.

Foto: Carlos Vinicius Santos

Segundo a Comissão Pastoral da Terra, em 2018, aconteceram 43 conflitos no campo no Tocantins, envolvendo 7.890 pessoas. Já no Maranhão este número é ainda mais alarmante, pois foram contabilizados 201 ocorrências e mais de 80 mil pessoas envolvidas. Os conflitos apurados pela Pastoral estão relacionados à disputa por terra, água e trabalhistas.

De acordo com o Dossiê da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e do Ministério da Saúde, cada brasileiro consome mais de 7 litros de agrotóxico por ano. Ainda com base no estudo, pesquisas apontam que o consumo de agrotóxicos pode causar uma série de doenças, como a infertilidade, problemas motores e neurológicos.

Alternativa agroecológica

A Articulação Tocantinense de Agroecologia (ATA) acredita que a Agroecologia deve ser compreendida como uma ciência, uma prática e um movimento, apresentando um caminho possível para o desenvolvimento sustentável de nossa sociedade.

As práticas agroecológicas contribuem para a preservação dos recursos naturais e para a manutenção dos modos de vida dos povos e comunidades tradicionais, para a promoção da soberania alimentar com a produção de alimentos saudáveis, sem o uso de agrotóxicos, que proporcionem condições de vida digna para as populações do campo e da cidade.

[1] Comunicador da Campanha Nacional em Defesa do Cerrado, com informações da Articulação Tocantinense de Agroecologia.

Enviando sua mensagem