*Samis Vieira

A FASE Amazônia juntamente com entidades, movimentos sociais e organizações populares ligadas aos povos do campo, da floresta, das águas e das cidades engajadas na promoção da agroecologia realizaram o Encontro dos Movimentos Sociais da Região Metropolitana de Santarém sobre a Campanha Nacional de Mobilização Agroecologia nas Eleições 2022”, em Santarém no Pará.

O evento teve como objetivo apresentar proposições para construção e o fortalecimento de políticas públicas voltadas para a promoção da agroecologia, a garantia da soberania e segurança alimentar e nutricional e defesa dos povos e comunidades tradicionais na construção  de diálogos de convergências com candidatos e candidatas do campo progressista para assumirem o engajamento e o compromisso de construir propostas estratégicas do campo agroecológico nos projetos de lei e plataformas políticas dos partidos.

O encontro contou com a presença de 38 pessoas e cinco candidaturas que fazem parte do campo progressista do estado. Além disso, foi apresentada a carta compromisso dirigida às candidatas e candidatos com as principais demandas referentes ao reconhecimento e ao fortalecimento da agroecologia organizada em cinco eixos estruturantes resultado de convergências políticas consolidadas ao longo de 20 anos de existência da Articulação Nacional de Agroecologia (ANA). Nesta mesma oportunidade os movimentos sociais presentes apresentaram suas demandas que convergem para a luta em defesa da agroecologia e dos direitos territoriais. O Movimento Tapajós Vivo fez a entrega aos candidatos e candidatas de um “Manifesto para candidaturas em favor da Amazônia/Tapajós” e o coletivo de Jovens Guardiões do Bem Viver de uma carta política intitulada “Os sonhos da juventude do PAE Lago Grande”.

Outro ponto debatido foi sobre a realidade das políticas públicas estaduais do Pará, a qual precisam ser ampliadas e fortalecidas com a estruturação públicas, que atendam as particularidades territoriais de comunidades e povos tradicionais, a importância do fortalecimento das articulações em redes e a retomada dos espaços de participação social foram questões pautadas durante o encontro.

Candidato Marcio Pinto assina a carta compromisso. Foto: Samis Vieira

O integrante de uma das candidaturas na Assembleia Legislativa, Marcio Pinto, recebeu a carta e garantiu que a Agroecologia é uma questão fundamental e que precisa de políticas públicas que possam apontar uma reversão de crise alimentar que temos no momento. “A agroecologia é importante porque está relacionada à vida, garante saúde e harmonia na relação seres humanos com o meio ambiente. Ela está diretamente relacionada à vida, seja no presente como no futuro, e se a gente não pensar nesse sentido a nossa relação com a Mãe Terra vai se degradar cada vez mais”, disse.

Campanha Agroecologia nas Eleições 2022

A campanha de mobilização Agroecologia nas eleições 2022 é uma iniciativa de incidência política nas candidaturas a cargos Executivos e Legislativos nas esferas estadual e federal, “porém, a participação popular tem sido de fundamental importância tanto na construção dos espaços de diálogos, quanto na construção de aprendizados e de convergências políticas do campo do agroecológico”, afirma Samis Vieira, educador popular da FASE Amazônia.

A professora Daniele Wagner, que é membro da Associação Brasileira de Agroecologia considera que o debate sobre Agroecologia nas eleições é fundamental para a construção de uma agenda pública que contemple as demandas dos movimentos sociais e sobretudo fortaleça a agricultura familiar, povos e populações tradicionais. “A discussão da soberania alimentar no Brasil considerando o contexto da região Amazônica, perpassa por diversas disputas, porque esse é um território de muitos conflitos, o que fragiliza esses territórios tradicionais. E esse debate nos organiza em torno de pautas temáticas que possam fortalecer esses territórios e a construção de ações que sejam estratégicas para a soberania alimentar”, acredita.