Notícias

28/08/2019Pernambuco

PE: Juventudes saem às ruas do Recife para denunciar desmontes e lutar por direitos

O Fórum das Juventudes de Pernambuco (FOJUPE), em parceria com mais de 40 organizações, realizou a terceira edição do "Agosto das Juventudes — Jovens pelo Direito de Viver"


Tádzio Estevam¹

Juventudes de PE tomaram as ruas do centro do Recife para reivindicar diversas pautas. (Foto: PH Reinaux)

Dados do Atlas da Violência 2019 revelam que a violência contra as juventudes em Pernambuco (PE) só vem aumentando. Em se tratando dos homicídios, os números do último levantamento feito em 2017, mostram que o Estado só perde para o Rio Grande do Norte e o Ceará. O crescimento percentual quando se compara os anos de 2016 e 2017, ultrapassa os 25%. Pernambuco também se mantem na terceira colocação nacional quando a violência faz o recorte na população negra. Além das mortes, outras violências e perdas de direitos também acometem as juventudes pernambucanas. Por essa razão, jovens dos quatro cantos do Estado saíram pelas ruas do centro do Recife – na sexta-feira, dia 23 – para denunciar os desmontes e lutar pela efetivação de políticas públicas voltadas às Juventudes. O Fórum das Juventudes de Pernambuco (FOJUPE), em parceria com mais de 40 organizações², realizou o “Agosto das Juventudes — Jovens pelo Direito de Viver”, que chega à sua terceira edição. A concentração aconteceu no Parque 13 de Maio e a passeata seguiu até o Armazém do Campo, espaço voltado para a agroecologia no centro da cidade.

(Foto: PH Reinaux)

Com o tema “Facismo aqui não se cria, juventudes do campo e da cidade pelo fortalecimento das políticas públicas e da democracia”, as juventudes foram às ruas com o objetivo de fazer ecoar aos ouvidos da população uma extensa pauta de reivindicações que perpassam por sete eixos: Direito de viver, território e mobilidade; Direito de viver e contra o etnocídio da juventude negra, indígena e quilombola; Direito de viver e contra o feminicídio e a violência LGBTI³; Direito de viver e contra as reformas nas políticas sociais (trabalhistas, previdência, educação); Direito de viver e em defesa da agroecologia; Direito de viver com saúde e pelo direito de viver com cultura. “Precisamos ter oportunidades, políticas públicas e garantir a existência e resistência da juventude negra. Somos a população que mais morre nesse país. E não é só a morte física que nos abate. A falta de educação, trabalho e saúde também nos mata cada vez mais”, disse Derson Silva, coordenador regional do FOJUPE na região metropolitana do Recife.

Antes da passeata, o evento contou com uma roda de conversa intitulada Júri Popular, ocasião na qual uma espécie de tribuna foi instalada com um microfone aberto para que as jovens e os jovens pudessem se expressar. Um dos participantes que fez uso da palavra foi o indígena Marquinhos Truká, da aldeia Truká, do município de Cabrobó, sertão do estado.

(Foto: PH Reinaux)
A passeata seguiu até o Armazém do Campo, onde houve apresentações culturais. (Foto: PH Reinaux)

[1] Assessor de comunicação da Diaconia.

[2] O programa da FASE em Pernambuco é parceira do FOJUPE.

[3] Lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, pessoas trans e intersex. 

Enviando sua mensagem