Notícias

10/01/2020Amazonia

Café Regional: nas ondas do rádio na Amazônia 5

Em dezembro, os destaques do Café Regional foram: a participação das mulheres e a criminalização dos movimentos sociais, o festejo de Natal nas comunidades e os rituais para a virada de ano


O programa Café Regional, uma iniciativa do programa da FASE na Amazônia em parceria com a Rádio Rural de Santarém (PA), com apoio do Greenpeace, vai ao ar todos os sábados, a partir de 8h05, na AM 710. O conteúdo é voltado aos povos da Amazônia e em defesa de seus territórios, mas também pode ser ouvido por aplicativo¹. A programação inclui música, informação, agenda de ações da sociedade civil, entrevistas e outros conteúdos. 

“Criminalização dos Movimentos sociais”, esse foi o tema do programa Café Regional no dia 07.  Paulo Lima, da coordenação do projeto Saúde & Alegria e Movimento Tapajós Vivo; Pablo Neri, do setor de formação do Movimentos dos Sem Terra Pará (MST); Manuel Edvaldo, do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (STTR) de Santarém; Sara Pereira, educadora do programa da FASE na Amazônia e; Ciro Brito, advogado da Terra de Direitos participaram do programa.

No sábado seguinte, dia 14, os movimentos sociais continuaram em pauta com o tema “A participação das mulheres nos movimentos sociais”. As convidadas dessa vez foram Maria Ivete Bastos dos Santos, presidente da Associação de Mulheres Trabalhadoras Rurais de Santarém; Cileusa Barreto, da Associação de Mulheres Agricultora Familiares de Mojuí dos Campos e; Marilene Rodrigues, do STTR e presidente da Casa Familiar Rural de Santarém. Aldebaran Moura foi homenageada nesta edição.

No dia 21, o sábado antes do Natal, o programa trouxe um pouco como as comunidades festejam essa data. Kennedy Harilal , da Pastoral da Menor de Santarém; Irmã Ieda, coordenadora da Associação Dulce dos Pobres; Luis Augusto, seminarista e; Rodrigo Ferreira, membro da Igreja Cristã Evangélica Filadélfia em Santarém foram ouvidos.

O último programa do ano, no dia 28, o Café Regional trouxe os rituais para a virada de ano: “O que as comunidades fazem para esperar o ano novo?”. Deram dicas “místicas” e falaram sobre o assunto diversos moradores de comunidades  e representantes de organizações locais e Junior Coelho, comerciante. 

Enviando sua mensagem