A FASE Pernambuco recebeu em sua sede, no Recife, grupos de pescadoras para um encontro com candidatos e candidatas progressistas. O objetivo foi a entrega da Carta das Mulheres Pescadoras Artesanais com um conjunto de propostas pertinentes às trabalhadoras no âmbito estadual e nacional.

A carta foi elaborada no Encontro de Pescadoras realizado em Tamandaré, em agosto de 2022, numa ação conjunta da Articulação Nacional de Pescadoras –ANP, em parceria com o Conselho Pastoral dos Pescadores (CPP), a FASE,, o Grupo curumim e o SOS Corpo.

“No que se refere às mulheres pescadoras, todos os aspectos citados acima estruturam um processo histórico de invisibilização que se reflete nas políticas de negação e omissão assumidas pelo governo federal e, também, no governo do estado de Pernambuco. Exemplo disto, foi o tratamento dado por estes governos às pescadoras e às comunidades tradicionais pesqueiras ante ao derramamento de petróleo em 2019 e, posteriormente, durante a pandemia do novo coronavírus, cenários em que se evidenciou a política de abandono que as mulheres da pesca enfrentam”, diz um trecho da carta.

Foto: Rud Rafael

Na defesa do direito à cidade, a FASE busca fortalecer mulheres negras, juventudes, pescadoras, costureiras, ambulantes, agricultoras (es) urbanas (os), dentre outros segmentos populares e movimentos sociais que vem tecendo um novo modelo de cidade. Segundo a coordenadora da FASE Pernambuco, Luiza de Marillac, as propostas apresentadas têm objetivo de garantir uma política pesqueira que garanta a vida, a dignidade e o direito das pescadoras das comunidades tradicionais pesqueiras. “Entre essas propostas eu destacaria as medidas que assegurem a segurança alimentar e a renda no sentido de inserir os pescados da pesca artesanal na alimentação das escolas. Também a criação de políticas públicas de saúde específicas para as mulheres e as comunidades das águas”, descreve. “Ainda, a criação de um fundo para implementar ações de mitigação das mudanças climáticas. Além da desvinculação de produtos como a ‘bolsa chapéu de palha’ – um benefício designado para a entressafra da pesca artesanal que está vinculado hoje ao ‘Auxílio Brasil’,  com a revisão de valores E o reconhecimento e a visibilidade do trabalho das mulheres na cadeia produtiva da pesca artesanal, entre outros”, acrescenta.

Foto: Rudi Rafael

“Foi um encontro potente com a presença de 28 mulheres pescadoras de pelo menos quatro regiões do estado e candidatas e candidatas dos partidos progressistas do Pernambuco. Foi também bastante emocionado por conta da perda da companheira Ângela Fonseca que esteve muito presente na sua energia e na sua força nessa atividade”, relata a coordenadora da FASE Pernambuco. Ela conta que o evento ainda teve momentos artísticos de grande importância e emoção. “Foram cantos, muita poesia e muita firmeza no pedido de compromisso a esses candidatos e candidatas presentes”, conclui