Greve de Fome MTST

Foto: Paloma Luna Bittencourt

Militantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), se acorrentaram na sede da prefeitura do Recife para evitar um despejo de 300 famílias da Ocupação 8 de Março, que resiste há mais de um mês em um terreno entre os bairros de Boa Viagem e Setubal. A área extremamente valorizada da capital pernambucana, a mais desigual do Brasil e com o 2º valor de aluguel mais caro do país.

“A imagem das famílias acorrentadas, fazendo greve de fome, é o símbolo de como as sucessivas gestões do PSB, no poder desde 2012 na cidade, vira as costas para o problema da moradia e para o diálogo com os movimentos sociais. Por outro lado, aceita que milhares de imóveis estejam abandonados e com grandes dívidas de IPTU, defendendo os interesses de pretensos proprietários como o da área da ocupação, que estava há 15 anos abandonada e com dívida superior a meio milhão de reais”, explica Rud Rafael, educador do programa da FASE em Pernambuco e coordenador do MTST.

Foto: Paloma Luna Bittencourt

A FASE se solidariza com o MTST e cobra da Prefeitura da Cidade do Recife que cumpra o seu papel e desaproprie a área. O movimento, inclusive, já apresentou proposta de como o utilizar o espaço

Assine o formulário e envie um e-mail de pressão ao prefeito João Campos contra o despejo da Ocupação 8 de Março.