*Paula Schitine

Na matéria da colunista Mara Gama no site Ecoa, no portal UOL, intitulada “Agrotóxico chega a poços, tanques de peixes e chuvas no Pantanal”,  a jornalista destaca a contaminação por substâncias tóxicas diversas nas águas do Pantanal.

Foto: Getty Image

“A falta de água potável desestrutura os plantios agroecológicos, as hortas para subsistência, modifica hábitos e meios de obtenção de renda, rareia os alimentos e afeta a saúde dos moradores da região”, diz um trecho da reportagem que entrevistou a principal autora do relatório técnico “Agrotóxicos no Pantanal”, a educadora da FASE no Mato Grosso, Fran Paula. “A exposição aos agrotóxicos agrícolas, em graus diferenciados de toxicidade, se dá de modo ocupacional e ambiental, por meio de pulverizações aéreas, mecanizadas e costais e está presente em todos os elos da cadeia produtiva do agronegócio, deixando resíduos nas águas, nos solos e no processo agroindustrial de alimentos”, aponta o relatório. Leia a matéria na íntegra:

https://www.uol.com.br/ecoa/colunas/mara-gama/2022/08/18/agrotoxico-chega-a-pocos-tanques-de-peixes-e-chuvas-no-pantanal.htm

O portal G1 do Mato Grosso também repercutiu o relatório com a seguinte manchete: “Desmatamento, mineração e queimadas aceleram a degradação da biodiversidade do Pantanal”. A reportagem da jornalista Caroline Mesquita denuncia que segundo os dados da pesquisa encabeçada pela FASE, o fortalecimento do agronegócio tem causado danos irreversíveis ao bioma.

De acordo com a matéria, “impactos de modelos de desenvolvimentos e a destruição aceleraram a degradação do bioma do Pantanal. Conforme um levantamento da Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional (Fase), o desmatamento, a mineração e a queimadas são fatores que intensificam esse processo”. Confira abaixo a reportagem na íntegra.

https://g1.globo.com/mt/mato-grosso/noticia/2022/08/22/desmatamento-mineracao-e-queimadas-aceleram-a-degradacao-da-biodiversidade-do-pantanal-diz-estudo.ghtml

O Pantanal da novela x A realidade 

Na outra reportagem de Rafael Moreira também para o UOL, o jornalista aborda o tema fome que está sendo falado na novela Pantanal e a solução para este flagelo do nosso País. A matéria intitulada “Como técnica aprendida por Jove em ‘Pantanal’ pode ajudar no combate à fome” entrevista Liza Del Dala, que interpreta a nova crush de Jove ( personagem de Jesuita Barbosa)  que é uma especialista em plantio agroflorestal e tem trazido questões de uma ciência ainda pouco divulgada, mas fundamental para pensar em combate à fome no Brasil: a agroecologia.

Foto: reprodução TV Globo

A matéria também cita o trabalho da FASE com o relatório técnico “Agrotóxicos no Pantanal” e os dados alarmantes que mostram o envenenamento da água e do solo da região do Pantanal mato-grossense.

Segundo a matéria, o uso desenfreado de pesticidas afeta a vida dos moradores tanto pela água quanto pelo ar. No ano passado, 15 pessoas da comunidade quilombola Jejum, moradoras do município de Poconé (MT), foram intoxicadas após entrarem em contato com poeira tóxica resultante de uma colheita de soja. Atuante no Pantanal, Fran Paula usa os exemplos acima para afirmar que o enfrentamento entre agroecólogos e o agronegócio na região é constante.

“O bioma do pantanal tem sofrido muito com o avanço do agronegócio em Mato Grosso e em Mato Grosso do Sul. Isso tanto no planalto quanto na planície pantaneira. A gente tem identificado o impacto no equilíbrio do agroecossistema. A escassez da água no pantanal é só um dos exemplos. Há ainda um avanço muito grande na produção de soja no pantanal, mas também produção de cana, onde é usado muito veneno”, analisa.

Veja a reportagem aqui

https://www.uol.com.br/ecoa/ultimas-noticias/2022/08/19/o-que-e-agroecologia-novo-interesse-de-jove-em-pantanal.htm

Assista à live de lançamento do Relatório

https://youtu.be/vNpSE42AloI