Segurança alimentar no Acordo UE-Mercosul: Risco de normas mais fracas nos dois lados do Atlântico

O Acordo de Livre Comércio (ALC) foi formulado para aumentar o fluxo de mercadorias entre os países. No entanto, poderá aumentar o risco de consumidores comprarem alimentos contaminados e não fará nada para impedir a reexportação de produtos rejeitados

Clima, mudanças no uso da terra e o Acordo UE-Mercosul: acelerando o ponto de não retorno

Caso entre em vigor, o acordo UE-Mercosul irá comprometer metas climáticas, vai facilitar cada vez mais a destruição do Cerrado e não irá garantir normas de sustentabilidade na cadeia de produção, permitindo o avanço cada vez maior do agronegócio

Carta contra acordos com Mercosul aos candidatos/as em 2022 (português)

A carta foi construída a partir da plenária da Frente Brasileira Contra os Acordos Mercosul-União Europeia e Mercosul-EFTA, que contou com a participação de 40 representantes de organizações e movimentos sociais.

Carta contra acordos com Mercosul aos candidatos/as em 2022 (espanhol)

A carta foi construída a partir da plenária da Frente Brasileira Contra os Acordos Mercosul-União Europeia e Mercosul-EFTA, que contou com a participação de 40 representantes de organizações e movimentos sociais.

Aulão analisa os impactos e as desigualdades do acordo entre Mercosul e União Europeia

Retomada do debate para a aprovação do tratado de livre comércio, expressa a reconfiguração do neoliberalismo, aprofundando as crises econômica, social e ambiental. Em outubro acontece a plenária da Frente Brasileira contra os Acordos Mercosul-UE e Mercosul-EFTA

Acordo Livre Comércio Mercosul – União Europeia

Em nota, Rede Brasileira pela Integração dos Povos (Rebrip) se posiciona acerca das negociações do Tratado de Livre Comércio entre União Europeia (UE) e o Mercosul, exigindo mais transparência e divulgação das negociações para que a sociedade conheça as propostas com as quais o Mercosul concorda e o conteúdo proposto pela UE. A Rede segue rechaçando “uma Alca com a Europa”. A nota foi lançada após a realização do seminário “Novas Estratégias para a Organização Mundial do Comércio”, no Rio de Janeiro, nos dias 23 e 24 de maio de 2017. O documento foi enviado para os órgãos responsáveis pelo tema dentro do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), Itamaraty e do Congresso Nacional.