FASE rebate pesquisa que diz que planta nativa recupera áreas de mineração no Pará

Estudo indica potencial da crotolária-da-canga em locais degradados; técnicos criticam “falsas soluções do mercado”

Programa Nacional de Alimentação Escolar: inovações e desafios

Nos meses de julho e agosto ocorreram iniciativas do governo que favorecem o fortalecimento do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), e seus sujeitos de direito.

A partir de agora os grupos formais e informais de mulheres da agricultura familiar estão incluídos como prioritários junto com os povos indígenas, comunidades tradicionais e assentamentos rurais para aquisição, diretamente, de no mínimo de 30% dos alimentos produzidos para atender à demanda das escolas. E ainda, quando comprados de família rural individual, será feito em nome da mulher em, no mínimo 50%. É o que diz a Lei nº 14.660 de agosto deste ano, que alterou positivamente o art. 14 da Lei 11.947 de 2009 do PNAE.  

Programa Aquisição de Alimentos: avançar nas conquistas e barrar os retrocessos

O Programa Aquisição de Alimentos (PAA), relançado pelo Presidente Lula no dia 22 de março, em Pernambuco, tem importante significado social, econômico, político e cultural…

Dia Mundial da Segurança Alimentar

Depoimentos de agricultores assistidos pela FASE Bahia sobre Caderneta Agroecológica e sua produção de hortaliças.

Carta manifesto contra MP 1.154

O substitutivo para a Medida Provisória 1154, aprovado na comissão Mista, desestrutura o Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima (MMA) e os órgãos a ele vinculados e enfraquece o Ministério dos Povos Indígenas (MPI).

O texto precisa ser necessariamente alterado pelos plenários da Câmara dos deputados e do Senado Federal.

A Chuva do Caju e as Mudanças Climáticas

Fran Paula¹ Os dias de setembro iniciam com a promessa da tão esperada chuva do Caju para os matogrossenses, sabemos que o fenômeno marcará o…

Derrubar o veto ao PL 823 é defender a vida e a alimentação saudável

Maria Emília L. Pacheco* Pela segunda vez, em dois anos da tragédia da pandemia, o governo veta um Projeto de Lei de apoio à Agricultura…

Em defesa da soberania dos povos sobre os sistemas alimentares

Hoje, 23 de setembro, enquanto se realiza a Cúpula dos Sistemas Alimentares em Nova York, milhões de vozes dos campos, das florestas, das águas e…

A saúde do corpo da Terra

Em texto para o projeto Ancestralidades, Franciléia Paula de Castro, educadora da FASE no Mato Grosso, relembra dos conhecimentos e cuidados passados por suas ancestrais

DCM: Comida na mesa

Os jornalistas Thadeu Melo e Vinícius Segalla comentam as notícias do dia e entrevistam Alexandre Conceição, da coordenação nacional do MST, e a antropóloga Marília Emília Pacheco

Feminismo e Agroecologia no enfrentamento a pandemia

O Movimento de Mulheres Camponesas (MMC) reuniu Silvia Camurça; Isabel Silva de Freitas, Maria Emília Pacheco e Justina Cima para debater o tema em live

Justiça para quem produz comida de verdade e conserva a biodiversidade

Maria Emília Pacheco, em artigo, defende que a retomada do Programa de Aquisição de Alimentos “é uma questão de justiça social”

Extinção do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional: comida de verdade e cidadania golpeadas

Acabar com o Consea representa um grave retrocesso, a negação de um espaço público plural no debate e controle social das políticas de segurança alimentar e nutricional, como o combate à fome e à miséria; a inclusão do direito à alimentação na Constituição Federal, a aprovação da Lei Orgânica; e da Política e do Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional

Parceria entre FASE e Mamirauá promove curso de Sistemas Agroflorestais por meio da agroecologia

O curso de Multiplicação de Conhecimentos em Sistemas Agroflorestais, na cidade de Tefé (AM), teve como objetivo potencializar o debate sobre as ações agroecológicas e a sua contribuição na formação de multiplicadores para o manejo de Sistemas Agroflorestais na Região Amazônica

SBT Comunidade – Impactos dos agrotóxicos no MT

“Mato Grosso é o estado que mais consome agrotóxico do país, cerca de 40 litros por habitante ao ano”. O dado alarmante citado por Fran Paula de Castro, educadora da FASE no Mato Grosso, ilustra a importância do lançamento em Cuiabá e em Rondonópolis do “Dossiê Abrasco: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde”. Confira vídeo da TV Rondon, afiliada do SBT, sobre as atividades no Mato Grosso, que incluíram palestras e seminários com autores, pesquisadores e militantes de organizações e movimentos sociais nos dias 23, 24 e 25 de julho de 2015.

Agroecologia e o fornecimento de alimentos

A série Empreendedorismo e Sustentabilidade do Programa Entrevista do Canal Futura recebeu Maria Emilia Pacheco, presidente do Conselho Nacional de Segurança Alimentar. Ela falou, entre outras coisas, sobre agricultura familiar, agricultura orgânica e agroecológia expondo suas direnças, confira.

De onde vêm os alimentos?

O  programa Conexão Futura, do Canal Futura, com tema “De onde vêm os alimentos” teve participação da Vânia Carvalho, da FASE Amazônia e do Fundo Dema, debateu a agricultura familiar e a agroecologia no Brasil.

Agroextrativismo, Natureza e Renda no Campo

Conheça a experiência do Manejo dos Frutos do Cerrado, iniciativa do Grupo de Mulheres Rurais no sudoeste de Mato Grosso. O acesso a políticas públicas de comercialização – como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) – fortaleceu a agricultura familiar livre de agrotóxicos e garantiu a geração de renda, a soberania e a segurança alimentar.

Alimentos da Vida

Produzido pela FASE-MT em 2006, o vídeo mostra a experiência da Associação Regional de Produtores e Produtoras Agroecológicos (ARPA) no acesso ao mercado institucional pelo Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). Em Mirassol D’Oeste, a articulação de produtores agroecológicos possibilitou o aumento na qualidade da merenda escolar na Escola Municipal Inedi Queiroz.

FASE no Globo Ação: Ribeirinhos de Gurupá dão exemplo de desenvolvimento local

Criado em 1997 com o objetivo de apoiar a economia familiar baseada no uso sustentável da água, o projeto Manejo Comunitário do Camarão de Água Doce, instituído pelo núcleo da FASE-Amazônia no Pará, tornou-se um exemplo da importante união entre metodologias participativas e ações concretas para o desenvolvimento local. No município paraense de Gurupá, técnicas sustentáveis para o manejo do camarão – desenvolvidas em coletivo – deram novo valor ao produto local e estabeleceram a pesca familiar de camarão como uma atividade permanente, geradora de renda suficiente para 16 comunidades. O projeto chegou a receber o Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social.