Direitos Humanos e Atualidades: Processos de descolonização e práticas libertárias

O livro é uma parceria entre a editora Zume, a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e o Centro de Referência em Direitos Humanos (CRDH – Cáceres / MT), sob a supervisão da professora Lúcia Gonçalves, e está vinculado à Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT). A obra contou com a contribuição de pesquisadores, entre eles Franciléia de Paula, educadora da FASE no Mato Grosso, contribui com o artigo “A pandemia e a violação do direito humano à alimentação saudável”. Nele, a educadora aborda o agravamento da fome, retrocessos em políticas públicas, proposta de sistemas alimentares agroecológicos e uma nova geografia alimentar.

Pacote do veneno: uma política de morte

Brasil vive crise civilizatória e fracassa na garantia da saúde da população e do meio ambiente, sobretudo em um contexto crítico com a pandemia do coronavírus, que já ceifou 658 mil vidas no país

Avaliação dos Impactos da FASE – 10 anos (2011 a 2020)

O documento traz reflexões e dados de estudo sobre o impacto do trabalho da FASE nos territórios de atuação da organização entre os anos de 2011 e 2020.

Amazônia Agroecológica / Nota técnica V – Alimentando a vida dos solos

Esta nota técnica visa criar espaço de troca de saberes e construção de conhecimentos sobre importância dos Sistemas Agroflorestais como alternativa de produção para a manutenção da floresta em pé, o uso sustentável do solo e a segurança alimentar de comunidades e povos tradicionais na Amazônia

Caderneta agroecológica: o saber e o fazer das mulheres do campo, das florestas e das águas

Nesta publicação, Maria Emilia Pacheco, assessora da FASE, contribuiu com o artigo “Mulheres construindo a Agroecologia: caminhos para a soberania e segurança alimentar e nutricional”, junto com a nutricionista Vanessa Schottz, integrante do Conselho da FASE, e a consultora Rodica Weitzman. O livro versa sobre mulheres rurais que estão escrevendo uma outra história de suas vidas, a partir do que poderia ser visto como um singelo instrumento – as Cadernetas Agroecológicas – onde anotam a sua produção e o destino que é dado a ela, seja na forma de trocas com vizinhas, parentes e amigas, doações a pessoas em situação de vulnerabilidade, seja pelo uso na alimentação da própria casa, ou mesmo através da venda em diferentes mercados.

Derrubar o veto ao PL 823 é defender a vida e a alimentação saudável

Maria Emília L. Pacheco* Pela segunda vez, em dois anos da tragédia da pandemia, o governo veta um Projeto de Lei de apoio à Agricultura…

Que caminhos para a agricultura camponesa moçambicana?

O encarte “Que caminhos para a agricultura camponesa moçambicana? O Corredor de Nacala e os projetos para a transformação do campo”, é resultado de pesquisa realizada por Costa Estevão (UPC Nampula), Diana Aguiar (FASE), Jeremias Vunjanhe (Adecru) e Karina Kato (GEMAP/CPDA/UFRRJ), com apoio de Jhonatan Bento da Silva (UFRRJ).

Justiça para quem produz comida de verdade e conserva a biodiversidade

Maria Emília Pacheco, em artigo, defende que a retomada do Programa de Aquisição de Alimentos “é uma questão de justiça social”

O coronavírus, a barbárie e a força do Cerrado

Em artigo, Leonardo Melgarejo analisa as cotidianas práticas que ampliam os danos no Brasil, enquanto a comunidade científica discute as origens do coronavírus

Extinção do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional: comida de verdade e cidadania golpeadas

Acabar com o Consea representa um grave retrocesso, a negação de um espaço público plural no debate e controle social das políticas de segurança alimentar e nutricional, como o combate à fome e à miséria; a inclusão do direito à alimentação na Constituição Federal, a aprovação da Lei Orgânica; e da Política e do Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional

Conferência Triangular dos Povos Moçambique-Brasil-Japão inspira caminhos a seguir

Organizações e movimentos sociais do Brasil, Moçambique e Japão saíram em defesa dos Cerrados e Savanas e disseram basta para a celebração de uma visão colonial sobre essas regiões

Agrotóxicos: “vivemos grande atraso em termos tecnológicos e éticos”

Franciléia Paula de Castro, educadora do programa da FASE no Mato Grosso e integrante da Campanha Nacional Contra os Agrotóxicos e pela Vida, participou de audiência da comissão especial destinada a debater o Projeto de Lei nº 6670/2016, que institui a Política Nacional de Redução de Agrotóxicos (PNARA), dentre outras providencias. Ela criticou as vantagens dadas ao agronegócio no país, como a isenção de impostos para os agrotóxicos, e defendeu a agroecologia como modelo democrático de produção e consumo de alimentos saudáveis. “Vivemos um grande atraso no Brasil em termos tecnológicos e éticos quando o assunto é agrotóxico”, disse.

O IV ENA, seu significado, protestos, anúncios e sujeitos políticos por Maria Emília Pacheco

O IV Encontro Nacional de Agroecologia (ENA) continua repercutindo junto aos povos do campo, da floresta, das águas e das cidades. Em Belo Horizonte (MG), antes da saída do ato público do ENA, Maria Emília Pacheco, da FASE e da Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), apontou alguns elementos “contra os quais protestamos por nos afastar da soberania alimentar” e anunciou os territórios agroecológicos que despontam no país.

ERÊ NE – Encontro Regional Nordeste de Agroecologia

Vídeo sobre o Encontro Regional de Agroecologia do Nordeste (ERÊ NE), realizado no final de fevereiro de 2018, em Recife (PE). O evento deu visibilidade às lutas e experiências agroecológicas dos territórios do nordeste brasileiro, além de fortalecer o desafio de estreitar os diálogos entre campo e cidade. O ERÊ Nordeste, como momento preparatório para o IV Encontro Nacional de Agroecologia (ENA), possibilitou um ambiente de trocas de saberes e reflexões sobre as temáticas que envolvem o IV ENA, que será promovido pela Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), de 31 de maio a 3 de junho de 2018, em Belo Horizonte (MG).

Comida de Verdade ocupa e colore ruas no Brasil

Unidas, Comida de Verdade, Cultura Popular e Solidariedade animam o processo preparatório rumo ao IV Encontro Nacional de Agroecologia (ENA) e fortalecem lutas históricas no Brasil

O que temos a comemorar nesta “Semana Mundial da Alimentação”?

Em editorial, FASE faz uma reflexão sobre a Semana Mundial da Alimentação e critica o uso do granulado Farinata, também conhecido como “ração humana”, que o governo de São Paulo quer distribuir para os mais pobres e nas escolas

11 anos da Losan – Hora de relembrar, celebrar e protestar

A Lei Orgânica da Segurança Alimentar e Nutricional (Losan) guarda um significado estratégico ao articular dimensões sociais, culturais, econômicas, ambientais e culturais

11 anos da Lei Orgânica de Segurança Alimentar (Losan)

A Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional (Losan) completou 11 anos no dia 15 de agosto. Para lembrar a data, a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados realizou uma audiência pública. Maria Emilia Pacheco, integrante do Grupo Nacional de Assessoria (GNA) da FASE, esteve entre os debatedores. Ela ressaltou: “esse é um momento de protestar contra violação dos direitos, o desmonte das políticas, o ataque a democracia”. Maria Emília salientou ainda que a Losan “trouxe a necessidade de pensar de forma articulada as dimensões sociais, políticas, ambientais e culturais, e isso está muito bem expresso nos vários sentidos da Lei e na amplitude deste marco institucional”.

Dia Internacional da Biodiversidade: valorização de nossas culturas alimentares e o Direito ao Gosto 

Estamos perdendo a nossa rica biodiversidade e nossos alimentos estão sob fortes ameaças em razão de problemas gerados pelo modelo agroindustrial de produção. Contra isso, é fundamental garantir os direitos de quem realmente protege a natureza e produz os alimentos

Quem ganha e quem perde nos (des)caminhos da cadeia industrial da carne?

Para termos um panorama das questões de fundo relacionadas ao tema, façamos o percurso ao longo dos caminhos da cadeia de produção da carne, imaginando-a como uma corrente que passa por diversos elos até as prateleiras do supermercado