Vídeos


20/12/2016Amazonia Fala Juventude: Meu Corpo, Meu Território O vídeo "Fala Juventude: Meu corpo, meu território" foi produzido por jovens da Amazônia paraense, participantes do Programa de Formação Fala Juventude, que por meio da comunicação comunitária têm fortalecido o debate sobre Direitos Territoriais, segurança alimentar, agroecologia e autonomia das mulheres. O projeto é executado pelo programa da FASE na Amazônia e conta com o apoio das organizações Manos Unidas, ASW, Action Aid e Fasternopfer.
24/11/2016Fase Animação: “Que FASE é essa?” A animação "Que FASE é essa?" explica o trabalho da organização FASE - Solidariedade e Educação. O título é sugestivo, já que também brinca com a importância de organizações de luta por direitos e pela radicalização da democracia, como é o caso da nossa, em um contexto de crise democrática no Brasil. A produção foi elaborada em novembro de 2016, ano de golpe no país e mês em que a FASE completa 55 anos. Além de explicar quais são as atuais causas da organização, o vídeo destaca seu papel ao longo dos anos.
27/10/2016Amazonia Vídeo explica Plano de Utilização do PAE Lago Grande Esse vídeo foi realizado pela Federação das Associações de Moradores e Comunidades do Assentamento Agroextrativista da Gleba Lago Grande (FEAGLE), pela FASE e pela Federação das Associações de Moradores e Organizações Comunitárias de Santarém (FAMCOS). Nele, jovens convocam a população para a revisão do Plano de Utilização do território, que conta com 140 comunidades. O local fica no Baixo Amazonas, no Pará, sendo visado pelo agronegócio, mineração e hidrelétricas. O vídeo se mostra como ferramenta de mobilização contra possíveis degradações. A produção teve apoio do Fundo Dema, do STTR de Santarém, da Fundação Boll Brasil e da Fundação Ford.
17/05/2016Amazonia FASE no seminário “Desenvolvimento em Disputa: Por uma economia a serviço da vida” Com cinco mesas de debate, o evento, realizado pela Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais (Abong), teve por objetivo discutir o modelo atual de desenvolvimento‬ e propor paradigmas alternativos que tenham as exigências ecológicas como elemento central. O debate da segunda mesa, cujo tema foi "Economia: como superar o modelo produtivista-consumista?", contou com a participação de Guilherme Carvalho, coordenador do programa da FASE na Amazônia. O seminário aconteceu em Brasília nos dias 17 e 18 de novembro de 2015.
21/01/2016Amazonia Mobilização Nacional Indígena em Brasília – Terra Indígena Maró (PA) Vídeo registra a participação dos Borari e Arapiuns em mobilização contra a PEC 215, que transfere a competência da União na demarcação das terras indígenas para o Congresso Nacional. "Uma emenda constitucional que vem atrapalhando o movimento indígena nacional e a demarcação de terras indígenas", diz Poró Borari, da Terra Indígena (TI) Maró, que ficam em Santarém, oeste do estado do Pará. Cerca de 240 famílias indígenas reivindicam a demarcação do território, que tem uma área de 42.373 hectares. Contra eles estão interesses econômicos de ruralistas e madeireiros.
04/08/2015Amazonia Mulheres caminham por iluminação em Santarém Mulheres de Santarém (PA) percorreram com lanternas ruas escuras e inseguras. A ação, realizada em julho de 2015, foi organizada pelo programa da FASE na Amazônia, pela Federação das Associações de Moradores e Organizações Comunitárias de Santarém (Famcos), pela Associação de Moradores do bairro do Umari (Ambu) e pela Action Aid, no contexto da campanha “Cidades Seguras para as Mulheres – a cidade que se tem, a cidade que se quer ter”. A iniciativa cobra serviços públicos de qualidade nas cidades para diminuir a violência de gênero. Saiba mais sobre a campanha proposta pela ActionAid em www.cidadesseguras.org.br.
29/07/2015Mato Grosso SBT Comunidade – Impactos dos agrotóxicos no MT “Mato Grosso é o estado que mais consome agrotóxico do país, cerca de 40 litros por habitante ao ano”. O dado alarmante citado por Fran Paula de Castro, educadora da FASE no Mato Grosso, ilustra a importância do lançamento em Cuiabá e em Rondonópolis do “Dossiê Abrasco: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde”. Confira vídeo da TV Rondon, afiliada do SBT, sobre as atividades no Mato Grosso, que incluíram palestras e seminários com autores, pesquisadores e militantes de organizações e movimentos sociais nos dias 23, 24 e 25 de julho de 2015.
30/01/2015Amazonia Vozes do Tapajós O vídeo é uma realização do programa da FASE na Amazônia e do Fórum da Amazônia Oriental (Faor), em parceria com a Associação dos Moradores dos Bairros Uruará (AMBU) e com o Coletivo da Juventude de Belterra. A produção critica a construção de 104 hidrelétricas, entre grandes, médias e pequenas, previstas para o rio Tapajós. Traz entrevistas com jovens que destacam os prejuízos que os empreendimentos podem trazer à natureza e às formas de viver da região. O filme foi concluído no primeiro semestre de 2014. Em novembro do mesmo ano, venceu o Festival de Videos FIT, da cidade paraense de Santarém, na categoria "não profissional".
11/07/2012Agroecologia FASE no Globo Ação: Ribeirinhos de Gurupá dão exemplo de desenvolvimento local Criado em 1997 com o objetivo de apoiar a economia familiar baseada no uso sustentável da água, o projeto Manejo Comunitário do Camarão de Água Doce, instituído pelo núcleo da FASE-Amazônia no Pará, tornou-se um exemplo da importante união entre metodologias participativas e ações concretas para o desenvolvimento local. No município paraense de Gurupá, técnicas sustentáveis para o manejo do camarão – desenvolvidas em coletivo – deram novo valor ao produto local e estabeleceram a pesca familiar de camarão como uma atividade permanente, geradora de renda suficiente para 16 comunidades. O projeto chegou a receber o Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social.
17/12/2010Justiça Ambiental Maranhão, seu contexto, seus conflitos Desde a implantação da Alumar na década de 80, os conflitos socioambientais têm se acirrado no Maranhão. Atualmente são previstos diversos grandes projetos para o litoral nordeste do estado. Entre os maiores atingidos, novamente, estão moradores de comunidades tradicionais como quilombolas, indígenas e extrativistas. Neste vídeo, representantes de movimentos sociais, associações de moradores e grupos populares do Maranhão identificam os conflitos e revelam sua inquietação na luta contra as ações de empresas mineradoras, siderúrgicas, monocultivos e até setores do governo.


Enviando sua mensagem