Mães de Maio: “Por memória, verdade e justiça”

Maio, mês que coincide com a comemoração do mês das mães, também se tornou o ícone das lutas pela memória, verdade e justiça dos assassinatos cometidos pelo Estado na democracia. Em 2018, a Semana na Memória das Vítimas da Violência de Estado foi realizada entre 12 e 19 de maio. Sendo uma iniciativa legalmente conquistada pelo movimento das mães, o evento mais importante ocorreu na cidade de Salvador (BA): “III Encontro Internacional de Mães vítimas da Violência do Estado: por Justiça, Reparações e Revolução”, com a presença de mães, familiares e militantes, tanto do Brasil como de outros países. A partir desse contexto, Franciele Campos, integrante do coletivo Fórum Social de Manguinhos e do Cartel Adélias, e a argentina Valentina Carranza Weihmüller, comunicadora, educadora, pesquisadora sobre juventudes, educação e cultura (NUTES, UFRJ), escreveram artigo sobre esses temas.

Articuladas: Grupo de mulheres lança campanha contra a violência institucional

Documentário debate as diferentes formas de atuação da violência e a importância das mulheres na resistência à violência do Estado

#8M: Lúcia Xavier e a luta pelos direitos das mulheres

Na série “O que você deseja para as mulheres?”, conversamos com quatro ativistas sobre direito à cidade, justiça ambiental, segurança alimentar e direito das mulheres

#8M: Alessandra Korap, justiça ambiental e a luta pelos direitos dos povos indígenas

Na série “O que você deseja para as mulheres?”, conversamos com quatro ativistas sobre direito à cidade, justiça ambiental, segurança alimentar e direito das mulheres

#8M: Bruna de Oliveira e a importância da luta pela segurança alimentar

Na série “O que você deseja para as mulheres?”, conversamos com quatro ativistas sobre direito à cidade, justiça ambiental, segurança alimentar e direito das mulheres

#8M: Mônica Oliveira fala sobre a luta por cidades mais justas para as mulheres

Na série “O que você deseja para as mulheres?”, conversamos com quatro ativistas sobre direito à cidade, justiça ambiental, segurança alimentar e direito das mulheres

Liderança feminista do Pará, Ivana Nobre de Azevedo morre aos 69 anos

Ex-freira, Ivana foi uma das precursoras do Movimento de Mulheres do Nordeste Paraense (MMNEPA). Natural de Manaus, também foi técnica da FASE em Capanema, no início da década de 1990

“Enquanto estivermos vivas, não vão tirar nossa fala”

Mais de 100 mulheres participaram, de forma virtual, do II Encontro de Mulheres do Cerrado, realizado pela Articulação de Mulheres do Cerrado nos dias 11 e 12 de novembro

Dia Internacional de Luta contra a Violência sobre a Mulher

No dia 25 de novembro, atividades espalhadas pelo país fortalecem a luta em defesa da vida e pelo fim das opressões contra as mulheres. No Pará, o Fórum de Mulheres da Amazônia Paraense (FMAP) e a Articulação de Mulheres Brasileiras (AMB) elaboraram uma carta para ser distribuída em ato público em Belém. “Hoje, no Brasil, 527 mil pessoas são estupradas por ano. Destas, 89% são mulheres e 70% são crianças e adolescentes. No Brasil, a cada 2 minutos, 5 mulheres são espancadas; a cada 11 minutos, uma mulher é estuprada; a cada 90 minutos ocorre um feminicídio”, diz trecho. As mulheres também pedem o fim da violência racista, que tem ceifado a vida de mulheres negras e indígenas. Além disso, dizem não ao PL 5069, de autoria do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB). O projeto que dificulta o aborto legal em caso de estupro.

Por uma vida livre de todas as formas de violência, sem racismo e sem machismo

Nas milhares de mulheres do campo, das águas e das florestas, Margarida vive! De todos os cantos do Brasil, elas marcham em Brasília por justiça, igualdade e paz no campo e na cidade

PE: Encontro de mulheres debate economia feminista e agricultura urbana

A atividade contou com a presença de cerca de 30 mulheres das regiões metropolitanas de PE, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte. O encontro foi promovido a partir de uma parceria entre a FASE, o Instituto Pacs, a Casa da Mulher do Nordeste, a Associação de apoio às Comunidades do Campo (AACC – RN), FASE e ActionAid

Mulheres do Cerrado: “É preciso colocar o cuidado coletivo e a aliança entre nós em pauta”

Entre os dias 14 e 16 de junho, aconteceu em Luziânia (GO) o 1º Encontro Nacional das Mulheres do Cerrado com o intuito principal de fortalecer suas organizações políticas

Em Belém, ato de 8 de março é marcado por Banquetaço

Além de reivindicar a igualdade de gênero e o fim da violência contra as mulheres, a frente feminista local foi às ruas para lutar, também, em favor do Consea

Festival WOW chega pela primeira vez ao Brasil

O evento acontece no Rio de Janeiro e a FASE participará de atividades sobre agroecologia e cartografia social

Mulheres no IV Encontro Nacional de Agroecologia: “Somos como as águas. Juntas, temos mais força”

Plenária realizada durante o IV ENA evidenciou, por meio dos debates e instalações chamadas “Rios da Vida”, o papel central das mulheres na história da agroecologia

Mulheres, água e energia não são mercadorias

A vereadora Marielle Franco (Psol) e outras mulheres assassinadas por denunciarem violações contra suas vidas e de suas comunidades foram homenageadas durante a Assembleia Mulheres e Águas, evento promovido no contexto do Fórum Alternativo Mundial da Água (FAMA)

Docudrama “Enquanto Viver, Luto!” é lançado no Dia dos Direitos Humanos

Filme retrata 10 casos de violências contra mulheres negras denunciados à Comissão de Direitos Humanos da OEA

Websérie apresenta os sonhos de 12 jovens negras

“Sonho de Preta Conta” é um convite para não nos esquecermos de que sonhos e utopias devem ser renovados mesmo em tempos difíceis

I Encontro Nacional do Projeto Jovens Mulheres Negras acontece em Brasília

Cerca de 40 jovens do projeto “Jovens Mulheres Negras Contra o Racismo e o Sexismo” participarão até domingo (30) das atividades do Festival Latinidades. O projeto é uma iniciativa implementada em conjunto pela FASE, Oxfam Brasil, Criola, Ação Educativa, IBASE, INESC e Instituto Pólis

Mulheres discutem estratégias de resistência às violências na cidade olímpica

Banalização do assédio, militarização, remoções e especulação imobiliária foram alguns dos temas debatidos em roda de conversa