Aercio Oliveira é homenageado em memorial da resistência da Baixada Fluminense

Construir uma memória coletiva do povo preto e pobre é estruturar um processo de reparação simbólica e de justiça racial, ainda mais com aqueles que…

FASE se solidariza com as famílias do MTST em greve de fome no Recife

Manifestantes se acorrentam na prefeitura para defender o direito à moradia

Café Regional: nas ondas da Amazônia nas ondas da Amazônia 23

No mês da independência, o Café Regional falou do Grito das Excluídas, das mobilizações indígenas em defesa da vida e do desmatamento na Amazônia, agravado pelo desmonte de políticas públicas

Os avanços do saneamento em relação ao PIB

O Observatório Nacional dos Direitos à Água e ao Saneamento (ONDAS) apresenta estudo que mostra que o setor de saneamento cresceu mais do que o Produto Interno Bruto (PIB) no período de 2007 a 2017. A pesquisa ganha relevância sobretudo nesse momento em que tramitam no Congresso Nacional propostas que visam alterar o marco legal, principalmente a Lei 11.445/2007, que definiu as diretrizes nacionais para o setor. O estudo mostra que, diferentemente do que tem se divulgado com a intenção de justificar as mudanças na legislação, as políticas públicas de saneamento têm sido pujantes, ou seja, não há estagnação como determinados setores querem fazer crer. A FASE integra o ONDAS.

Rud Rafael participa do “Opinião Pernambuco”

O educador do programa da FASE em Pernambuco participou de um bate papo sobre gentrificação ao lado do professor Tomás Lapa, da Universidade Federal de Pernambuco, transmitido pela TVU Recife

FASE realiza encontro sobre direito à cidade em Pernambuco

No seminário “Plantar resistências territoriais, colher políticas públicas e coletivizar a produção da cidade” foi lançada a publicação “Reinventar Cidades em Crise”

Audiência Pública debate estratégias de enfrentamento à pandemia com jovens de Pernambuco

No encontro realizado pela FASE e Comissão de Cidadania e Direitos Humanos participação popular (CCDHPP), foram colocados em debate propostas de políticas públicas para a juventude que reinvidicam trabalho, saúde e renda.

Evento virtual encerra o 3ª ano do projeto Juventude nas Cidades

Para Bruno Alves, educador da FASE Rio, os resultados mostraram o poder do projeto e a importância para a formação pessoal e política desses jovens

Ação policial no Jacarezinho deixa 25 mortos; moradores denunciam execuções

Em nota, o grupo Articuladas, do qual a FASE é parte, repudia a militarização da segurança pública e o uso cotidiano da violência por parte da polícia nos territórios de favelas e periferias

Carta ao Conselho da cidade do Recife

Carta assinada pela FASE e outras organizações e movimentos sociais da cidade do Recife exige transparência e abertura do Plano Diretor para o reconhecimento e participação real dos sujeitos que lutam por seu lugar na cidade e por uma cidade que seja de todos os cidadãos e cidadãs. “Recife não pode ser pensada apenas sob a ótica da maximização dos lucros dos setores que a compreendem como mercadoria. É preciso contemplar os diversos olhares, anseios e expectativas que se agregam na defesa por um outro modelo de cidade”.

Parceria entre FASE e Oxfam Brasil apoia jovens em Recife

Alcindo Batista¹ Uma vive em Camaragibe, Região Metropolitana de Recife. A outra, em Jaboatão dos Guararapes, na mesma faixa do estado de Pernambuco. Biatriz Santos…

#8M: Mônica Oliveira fala sobre a luta por cidades mais justas para as mulheres

Na série “O que você deseja para as mulheres?”, conversamos com quatro ativistas sobre direito à cidade, justiça ambiental, segurança alimentar e direito das mulheres

Ciclo de oficinas debate opressões urbanas

Realizada pela FASE no Rio de Janeiro e Fundo SAAP, atividade reuniu, virtualmente, jovens de diferentes estados para debater raça, classe e gênero

Juventude e direitos na cidade

Nesta publicação, seis organizações na sociedade civil apresentam metodologias de atuação com jovens em nove municípios brasileiros, onde o objetivo do projeto foi ampliar processos de organização e de participação política de jovens de baixa renda, criando alternativas de melhorias em suas condições e perspectivas de vida. A FASE participa apresentando trabalhos com jovens em três regionais: programa Rio de Janeiro, com moradores do Conjunto de Favelas da Maré; programa Pernambuco, com juventudes da região metropolitana do Recife e no apoio ao Fórum das Juventudes de PE; e programa Amazônia, com atuação junto a jovens da região metropolitana de Belém e no monitoramento do episódio conhecido como “Chacina de Belém”.

Ciclo de água urbano e serviços públicos essenciais

Esta publicação faz parte de uma série de cadernos de trabalho da Waterlat-Gobacit. O número, editado em dezembro de 2016, traz textos (em espanhol, inglês e português) que debatem a temática “água” em diferentes ângulos, apresentado a realidade de países como Argentina, México, Colômbia, Haiti e Brasil. Alguns dos aspectos abordados são: a neoliberalização dos serviços de água; as lutas sociais contra a sua privatização; as políticas públicas relacionadas à questão; a desigualdade na distribuição de água em áreas urbanas; assim como as contradições e conflitos que rodeiam a água como bem público, como bem comum, como mercadoria e como um direito humano. Evanildo Barbosa, diretor da FASE, participa com o artigo “Paradoxos na construção democrática brasileira: o Plano Nacional de Saneamento Básico”.

Carta Rio sobre o Habitat III

A Carta Rio frente ao Habitat III apresenta as contribuições coletivas das organizações que participaram da Conferência Preparatória no Rio de Janeiro para o Habitat III. A conferência reuniu membros de movimentos de habitação, pessoas afetadas por despejos forçados, movimentos mobilizados em torno de questões ambientais, investigadores de grupos acadêmicos, sindicatos, instituições de defesa dos direitos humanos e representantes das lutas atuais pelo direito à cidade. Para este coletivo de organizações, é preciso lutar contra a crise urbana e contra o modelo de exploração comercial de direitos das populações. Neste sentido, se argumenta que o Habitat III deve ser ocupado como um espaço de denúncia, interação e organização dos movimentos sociais latino-americanos e globais. Acesse o documento em espanhol.

Exclusão segue crescendo na “cidade olímpica”

Documento da Jornada de Lutas Rio 2016-Os Jogos da Exclusão elenca várias demonstrações de como o Estado, o Comitê Olímpico Internacional (COI), o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e seus patrocinadores seguem ampliando as violações de direitos na garantia de seus negócios. Enquanto os atletas merecidamente disputam as provas para as quais treinaram a vida inteira, seguem as políticas de repressão e segregação na “cidade olímpica”.

Carta pelo direito à manifestação na ‘cidade olímpica’

Documento critica o avanço das leis de exceção, que buscam criminalizar protestos. Também repudia a violência institucional, com agressões e até mesmo mortes decorrentes das ações policiais no contexto dos “Jogos da Exclusão”. Mais de 80 movimentos sociais, entidades e organizações assinam a Carta pública pelo Direito à Manifestação nas Olimpíadas. O documento tem como objetivo exigir publicamente do Estado brasileiro o respeito ao direito constitucional de livre manifestação. A iniciativa da Jornada de Lutas “Rio 2016—os Jogos da Exclusão” quer garantir que o Estado não repita as violações que cometeu durante os protestos na Copa das Confederações, em 2013, e na Copa do Mundo, em 2014.

Juventudes e a desigualdade no mundo urbano

“Juventudes e a desigualdade no urbano” é um encarte especial publicado na edição nº 100 do Le Monde Diplomatique Brasil. A publicação traz, entre outros conteúdos, o artigo “Jovens negras do Brasil e a transmissão geracional do racismo e da desigualdade”, escrito por Evanildo Barbosa, diretor da FASE, e Rachel Barros, educadora do programa da FASE no Rio de Janeiro. “O alto risco que se impõe diariamente sobre a vida das jovens mulheres negras aparece como uma condição que tem rebatimentos negativos diretos sobre a democracia brasileira, já que tal situação deve ser entendida como resultado histórico de condutas coletivas socialmente perversas”, destaca trecho. A publicação contém ainda mais cinco artigos e uma entrevista, sendo uma realização da Oxfam Brasil, em parceria com a FASE, o Instituto Polis, o Inesc, o Ibase e a Ação Educativa.

Bairro do Caju: de Balneário Real à Zona de Sacrifício Ambiental

O artigo “Bairro do Caju: de Balneário Real à Zona de Sacrifício Ambiental”, escrito por Aercio de Oliveira, coordenador do programa da FASE no Rio de Janeiro, integra, ao lado de outros cinco, a publicação “Direito à Cidade para um Mundo Justo e Seguro: o caso dos BRICS”. O livro é organizado pelo BRICS Policy Center, no âmbito do BRICS-Urbe e em parceria com a Oxfam. Nele o leitor encontra informações teóricas e empíricas sobre a importância do direito à cidade como noção fundamental para o desenho de políticas capazes de encarar as desigualdades e transformar as cidades.