FASE Espírito Santo constrói cidadania de quilombolas

A cidadania plena ainda é uma idéia distante para parte da sociedade brasileira. Muitos grupos sociais se vêem à margem das condições ideais para exigir seus direitos humanos mais básicos

Começa campanha por demarcação de terras Tupinikim e Guarani

Está em curso uma campanha nacional pela demarcação das terras indígenas Tupinikim e Guarani

I Grito pelo Território Quilombola do Sapê no Norte

Coordenado pela Comissão Quilombola Sapê do Norte, o Grito representará o início da luta quilombola pela retomada de seu território.

Índios Tupinikim e Guarani iniciam a auto-demarcação de suas terras

Cerca de 500 índios Tupinikim e Guarani do município de Aracruz (ES) iniciaram na manhã desta terça-feira a auto-demarcação das suas terras

Os direitos dos povos indígenas e o avanço do agronegócio

Seminário “Os Direitos dos Povos Indígenas e o Avanço do Agronegócio: Questões e Desafios”, que será dia 01 de junho, na UFES, pretende resgatar a história e as reflexões sobre as violações dos direitos e os conflitos que pontuam as lutas dos indígenas e dos demais impactados pelas monoculturas no Espírito Santo.

Monoculturas de árvores criam “desertos verdes” no país

Movimentos e organizações estiveram em Curitiba para a COP-8. A substituição de ecossistemas inteiros por monoculturas de árvores foi tema de uma forte denúncia

Nota da Comunidade Indígena do Espírito Santo

A Comunidade Indígena do Espírito Santo vem a público manifestar sua indignação com o massacre e a ação de extermínio praticada pela Polícia Federal no dia 20 de janeiro de 2006 no município de Aracruz/ES

Funcionários da Funai sofrem coação durante operação da Polícia Federal

Dois funcionários da Funai foram alvo de coação por parte da Polícia Federal na sexta-feira dia 20 de janeiro, durante a operação de reintegração de posse recheada de outras ilegalidades

PF promove ação violenta e ilegal contra índios no ES

Pelo menos treze índios ficaram feridos na sexta-feira dia 20 de janeiro numa ação violenta e ilegal da Polícia Federal em conluio com a empresa Aracruz Celulose, no Espírito Santo

Polícia Federal e Tropa de choque do Espírito Santo destroem aldeias indígenas em Aracruz

As Aldeias Olho d’Agua e Córrego do Ouro, das tribos Tupinikim e Guarani foram completamente destruídas em ação policial violenta no último dia 20 de…

PF e Tropa de Choque destroem aldeias indígenas em Aracruz

Polícia Federal e Tropa de choque do Espírito Santo destroem aldeias indígenas em Aracruz

Governo Federal promete agilizar demarcação das terras indígenas em Aracruz, no Espírito Santo

No dia 5 de outubro, cerca de 300 indígenas Tupinikim e Guarani que lutam pela recuperação das terras invadidas pela Aracruz Celulose no Espírito Santo ocuparam o complexo agro-industrial da empresa na esperança de conseguirem uma definição do Governo Federal sobre a demarcação dos 11.009 hectares reivindicados

Nota de solidariedade aos Tupinikim e Guarani

A Rede Alerta contra o Deserto Verde vem, através desta, manifestar sua solidariedade com a ação inédita e corajosa dos(as) companheiros(as) indígenas Tupinikim e Guarani

Índios têm vitória em luta contra Aracruz Celulose

Desde o dia 17 de maio, quando iniciaram a auto-demarcação de 11.009 hectares de suas terras ainda não regularizados

Ministério da Justiça se declara favorável à demarcação integral das terras dos Tupinikim e Guarani

Desde o dia 17 de maio, quando iniciaram a auto-demarcação de 11.009 hectares de suas terras ainda não regularizados, as comunidades Tupinikim e Guarani estavam aguardando um parecer do Ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos sobre a recomendação feita pela Procuradoria Geral da República do Espírito Santo (PGR/ES), na qual foi solicitada uma nova portaria de delimitação que garanta aos índigenas a posse integral dos 11.009 hectares, garantindo um total de terra indígena Tupinikim e Guarani no estado de 18.070 hectares.

Tupinikim e Guarani iniciam ocupação da Terra Indígena invadida pela Aracruz Celulose

Nem o mau tempo parou os Tupinkim e Guarani. Ontem, cerca de 200 indígenas das sete aldeias do Espírito Santo realizaram um corte de eucalipto dentro da área de 11.009 hectares de terras indígenas, atualmente nas mãos da Aracruz Celulose, para iniciar uma primeira ocupação da área reivindicada.

Continua a luta pela demarcação das terras Tupinikim e Guarani

Entidades e movimentos da sociedade civil Brasileira enviam carta para o Fundo de Petróleo da Noruega que investe na empresa Aracruz Celulose no Brasil solicitando que os investimentos sejam imediatamente suspensos, devido ao grave conflito fundiário que está ocorrendo entre a Aracruz Celulose, fundada pelo norueguês Erling Lorentzen, e os povos indígenas Tupinikim e Guarani no estado do Espírito Santo.

Índios começam a reconstruir aldeias no eucaliptal da Aracruz Celulose

Concluída a auto-demarcação dos 11.009 hectares de terra indígena tomada pela Aracruz Celulose há mais de 40 anos, chegou a hora de abrir clareiras no eucaliptal e refundar as aldeias que existiam antes da chegada da empresa

Nota pública dos povos Tupinikim e Guarani

“Nossa terra, nossa liberdade” é o título da nota da Comissão de Caciques Tupinikim e Guarani/ES

Conflito entre índios e Aracruz Celulose

Um banho de sangue. Esse poderia ter sido o resultado de um confronto entre a polícia militar e índios guarani e tupinikim em 18 de outubro no município de Aracruz, norte do Espírito Santo