Agroextrativismo de frutos do cerrado: gerando riquezas e conservando a natureza

Projeto está mudando a vida de 108 famílias, duas comunidades tradicionais e cinco assentamentos de reforma agrária em Cáceres,no Mato Grosso. Sob a pressão de um intenso desmatamento do Cerrado e ainda estranguladas pela força do agronegócio exportador que toma conta da maior parte dos territórios do MT, estas famílias vêm recebendo assistência técnica a política da Fase Mato Grosso para melhorar sua subsistência econômica e seu nível de desenvolvimento social e humano.

Declaração do X FOSPA/2022

A Declaração deste 10º Fórum Social Pan-Amazônico (FOSPA) traz um breve panorama da situação que se vive na Amazônia, e apresenta 15 propostas políticas e 16 ações concretas a serem realizadas.
O FOSPA é um evento de alcance global que surgiu há 20 anos, no âmbito do Fórum Social Mundial, para lutar pela vida, a Amazônia e os povos da região. É um espaço de articulação dos sujeitos e movimentos sociais para a incidência e a resistência política e cultural frente ao modelo de desenvolvimento neoliberal, neocolonial, extrativista, discriminador, racista e patriarcal.

FASE Amazônia promove 1º Encontro Regional de Mulheres frente à Mineração

A opressão que a mineração instaura vai para além da destruição da floresta e do rio, ela gera violência de gênero, classe e raça, e dentro desse cenário as mulheres são as mais afetadas.

FASE Amazônia promove encontros de preparação pré-FOSPA

Dos dias 28 a 31 de julho acontece a décima edição do FOSPA – Fórum Social Panamazônico que surgiu como desdobramento do Fórum Econômico Mundial de Davos.

FASE participa da Jornada Universitária da Reforma Agrária em Mato Grosso

Um encontro entre o campo e a cidade é a proposta da Jornada Universitária da Reforma Agrária (JURA), que realiza a Feira de Saberes e Sabores da Terra.

FASE Bahia auxilia mais 20 famílias com programa Quintais Produtivos

FASE Bahia auxilia mais 20 famílias com programa Quintais Produtivos
O objetivo do projeto socioambiental Quintais Produtivos é contribuir para a Segurança Alimentar e Nutricional (SAN) e comercializar o excedente da produção nos mercados institucionais do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e na feira municipal.

FASE leva ações de solidariedade a 17.500 famílias durante a pandemia

Ações emergenciais da FASE durante a pandemia tiveram números expressivos. De outubro de 2020 a fevereiro de 2022, junto com parceiros, a FASE prestou solidariedade a 17.500 famílias em 9 estados brasileiros, através de ações emergenciais.

FASE Bahia promove Seminário nas celebrações de 60 anos

A Bahia comemorou os 60 anos da FASE em um Seminário nos dias 19 e 20 de abril, na cidade de Tancredo Neves. Participaram do evento representantes da FASE Nacional, educadoras e educadores, organizações parceiras, colaboradores e o público convidado.

“Agroecologia é alternativa hoje e para o futuro”

Em entrevista à Articulação Semiárido Brasileiro, Maria Emília Pacheco, assessora nacional da FASE e integrante do núcleo-executivo da Articulação Nacional de Agroecologia, comentou o desmonte das políticas públicas no Brasil, principalmente no que diz respeito à educação. Além disso, fez reflexões sobre o mês do meio ambiente, relacionando saúde e sustentabilidade em meio à pandemia e outros assuntos.

FASE Bahia auxilia implantação de Quintais Produtivos

Seis Quintais Produtivos estão sendo implantados com a assessoria técnica da FASE na Bahia, em parceria com a Associação dos Pequenos Agricultores da Comunidade do Riacho do Caboclo – ASPARC, localizada na cidade de Presidente Tancredo Neves, território Baixo Sul baiano. Aline Souza e Silvanei Barbosa são os educadores da FASE responsáveis pela ação.

CARTA DA FRENTE DE ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL BRASILEIRA CONTRA O ACORDO MERCOSUL-UE / Versión en español

Las siguientes organizaciones de la sociedad civil brasileña expresan su oposición a la firma del acuerdo de libre comercio entre el Mercosur y la Unión Europea. Pedimos al Parlamento brasileño que promueva un amplio debate con la sociedad sobre los impactos que el acuerdo puede generar en los pueblos, trabajadores y territorios del país.

CARTA DA FRENTE DE ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL BRASILEIRA CONTRA O ACORDO MERCOSUL-UE

As organizações da sociedade civil brasileira abaixo subscritas manifestam a sua oposição à assinatura do acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia. Convocamos o Parlamento brasileiro a promover amplo debate com a sociedade sobre os impactos que o acordo poderá trazer aos povos, aos trabalhadores e trabalhadoras e aos territórios do país.

FASE Bahia participa de intercâmbio na Associação Agroecológica Jaqueira

Objetivo é agregar conhecimentos junto a agricultores e agricultoras da rede de agroecologia do Baixo Sul e Vale do Jiquiriçá

Agroecologia nas eleições

Em documento, a Articulação Nacional de Agroecologia, da qual a FASE é parte, reuniu propostas de políticas de apoio à agricultura familiar e à agroecologia e de promoção da soberania e segurança alimentar e nutricional, visando promover o debate público durante o processo eleitoral e subsidiar a ação dos poderes executivo e legislativo do município. O texto foi elaborado por organizações, coletivos e movimentos sociais e destina-se a candidatas/os nas eleições municipais de 2020. Entre as propostas estão: adesão do município ao Programa de Aquisição de Alimentos (PAA); criação de restaurantes populares; criação de uma política municipal de apoio a feiras da agricultura familiar ; desenvolvimento de ações para inclusão dos empreendimentos familiares; implantação de assentamentos municipais de famílias agricultoras sem terra; efetivação de política municipal de apoio aos povos tradicionais de matriz africana e povos de terreiro e; criação de lei municipal de restrição do uso de transgênicos nos programas
públicos de abastecimento alimentar, entre outros.

Café Regional: nas ondas da Amazônia 27

Em janeiro, o Café Regional abordou o protagonismo das mulheres no espaços de decisão. Além disso, temas como o lançamento do do livro “Lugar de Fala: Mulheres Pretas do Tapajós e suas histórias” e a participação da juventude em articulações ao longo de 2021 ganharam destaque

A luta camponesa construindo transição agroecológica no Mato Grosso: resistência ao modelo hegemônico da pecuária industrial

O relatório “Alternativas agroecológicas à produção animal industrial” traz estudos de caso recentemente compilados por membros e aliados da Coalizão Mundial pelas Florestas (GFC) no Brasil, Chile, México e Paraguai que destacam como o território e a vida de camponeses e povos indígenas são servidas “de bandeja” ao agronegócio. Para o estudo de caso do Brasil foi apresentado o assentamento de reforma agrária Roseli Nunes, no Sudoeste do Mato Grosso. Há quase vinte anos, o assentamento se constitui em uma experiência de resistência ao modelo hegemônico do agronegócio. Mesmo sofrendo pressões diversas e uma série de incentivos públicos e privados para ceder à pecuária industrial, o movimento agroecológico organiza as famílias que resistem e contribuem para a soberania alimentar. As estratégias produtivas e de comercialização contra-hegemônicas manejadas pelas famílias articuladas na Associação Regional de Produtores Agroecológicos (ARPA) mostram que a agroecologia se faz com o pé no chão e a perseverança da organização social.

Café Regional: Dia Mundial da Alimentação

Programa Café Regional do dia 16 de outubro é dedicado ao Dia Mundial da Alimentação

Assentamento no Pará recebe oficinas para implantação de hortas e sistemas agroflorestais

A iniciativa é do programa da FASE na Amazônia, através do projeto Amazônica Agroecológica, no Assentamento PAE Lago Grande

FASE promove oficina sobre novas masculinidades com agricultores do PAE Lago Grande, no Pará

Evento contou com a participação especial do educador Rud Rafael, programa da FASE em Pernambuco

Carta Sergipana do XI Congresso Brasileiro de Agroecologia

Em Carta Política do XI Congresso Brasileiro de Agroecologia, realizado em novembro de 2019, em Aracajú, as organizações participantes defendem o lema do encontro “Ecologia de Saberes: cultura, arte e ciência na democratização dos sistemas agroalimentares” como uma defesa irrestrita ao ensino público, gratuito, laico e de qualidade. A Ecologia de Saberes é uma abordagem teórica, metodológica e política que reconhece os distintos saberes e conhecimentos construídos nas universidades, centros de pesquisas, institutos, escolas, nas comunidades, em diálogo permanente e crítico, questionando a lógica dominante colonizadora, eurocêntrica, racista, patriarcal, LGBTQI+fóbica e etnocída. “Mais do que nunca, precisamos de uma prática científica que nos ajude a reconhecer nossas diferenças e identidades e, ao mesmo tempo, compor um mundo comum, onde possamos cultivar a solidariedade, a esperança e a confiança, tecendo, com amor, novos saberes e relações. Seguimos tecendo nossa rede colaborativa e solidária!”