Direitos Humanos no Brasil 2021

O Relatório da Rede Social de Justiça e Direitos Humanos é um instrumento de denúncia de violações de direitos humanos, mas mostra também que existem muitas formas de organização e de solidariedade construídas por movimentos sociais. Diversos artigos mostram exemplos concretos da organização popular para defender os direitos humanos. Letícia Tura, diretora da FASE, escreve sobre os “Retrocessos ambientais e ataques a direitos”.

Editorial: FASE completa 60 anos mirando os próximos desafios

No dia em que completamos 60 anos de fundação, fazemos um paralelo entre os desafios do presente e do passado para fortalecer as bases da esperança num futuro de ampliação de direitos, superação das desigualdades e reconstrução do Brasil

Caderneta agroecológica: o saber e o fazer das mulheres do campo, das florestas e das águas

Nesta publicação, Maria Emilia Pacheco, assessora da FASE, contribuiu com o artigo “Mulheres construindo a Agroecologia: caminhos para a soberania e segurança alimentar e nutricional”, junto com a nutricionista Vanessa Schottz, integrante do Conselho da FASE, e a consultora Rodica Weitzman. O livro versa sobre mulheres rurais que estão escrevendo uma outra história de suas vidas, a partir do que poderia ser visto como um singelo instrumento – as Cadernetas Agroecológicas – onde anotam a sua produção e o destino que é dado a ela, seja na forma de trocas com vizinhas, parentes e amigas, doações a pessoas em situação de vulnerabilidade, seja pelo uso na alimentação da própria casa, ou mesmo através da venda em diferentes mercados.

A Chuva do Caju e as Mudanças Climáticas

Fran Paula¹ Os dias de setembro iniciam com a promessa da tão esperada chuva do Caju para os matogrossenses, sabemos que o fenômeno marcará o…

Derrubar o veto ao PL 823 é defender a vida e a alimentação saudável

Maria Emília L. Pacheco* Pela segunda vez, em dois anos da tragédia da pandemia, o governo veta um Projeto de Lei de apoio à Agricultura…

Em defesa da soberania dos povos sobre os sistemas alimentares

Hoje, 23 de setembro, enquanto se realiza a Cúpula dos Sistemas Alimentares em Nova York, milhões de vozes dos campos, das florestas, das águas e…

A insustentabilidade da agropecuária brasileira e os incentivos contra o meio ambiente e os direitos humanos

Carolina Alves, Letícia Tura e Maureen Santos¹ No Brasil há 215 milhões de cabeças de gado, é o segundo maior rebanho bovino do mundo e ultrapassa o total…

Mulheres, resistências e o marco da violência institucional

Esta publicação foi a concebida e desenvolvida pelas Articuladas, coletivo formado por diversas organizações, dentre elas a FASE, com a colaboração de suas parceiras estratégicas, que assumem a centralidade tanto da produção editorial quanto do contexto das narrativas. Nela, é possível encontrar artigos, entrevistas, relatos de experiência e uma linha do tempo da violência institucional nos marcos de 2020 – que nos convida a refletir criticamente sobre o tema da violência institucional enquanto enuncia estratégias de resistência. A produção do Bem Viver e a defesa dos direitos humanos das mulheres, que garantem uma existência com dignidade, juntas, misturadas, estão presentes nas reflexões.

Revista Cidades em Crise

Esta publicação tenta dar conta de algumas iniciativas criadas no âmbito da Articulação Recife de Luta, do qual a FASE em Pernambuco é parte, visando fortalecer os territórios populares e exigindo respostas institucionais às questões evidenciadas pela pandemia. Essas iniciativas abriram caminhos para questionar escolhas políticas e desenhar novos arranjos sociais para um Recife com mais justiça social e solidariedade.

Amazônia Agroecológica / Nota técnica IV – Agrofloresta para o bem viver

Esta nota técnica visa criar um espaço de troca de saberes e construção de conhecimentos sobre a importância dos Sistemas Agroflorestais como alternativa de produção para a manutenção da floresta em pé, o uso sustentável do solo e a segurança alimentar de comunidades e povos tradicionais na Amazônia. Esta é a quarta, de uma série de seis notas técnicas lançadas no âmbito do projeto Amazônia Agroecológica, que conta com o apoio do Fundo Amazônia.

Amazônia Agroecológica / Nota Técnica II – Galinha caipira e a valorização da biodiversidade

A Nota Técnica “Galinha caipira e a valorização da biodiversidade” é a terceira de uma série de seis notas técnicas do projeto Amazônia Agroecológica, que tem o apoio do Fundo Amazônia. O objetivo é estimular a troca de conhecimentos entre grupos assessorados pela FASE, reunindo informações técnicas sobre a criação de galinhas caipiras no Pará e como elas são importantes para a segurança alimentar e nutricional das comunidades, gerando trabalho e renda com base nos pilares da agroecologia.

Amazônia Agroecológica / Nota Técnica III – Apicultura: polinizando a vida na agricultura familiar

A Nota Técnica “Apicultura: polinizando a vida na agricultura familiar” é a segunda de uma série de seis notas técnicas do projeto Amazônia Agroecológica, que tem o apoio do Fundo Amazônia. O objetivo é estimular a troca de conhecimentos entre grupos assessorados pela FASE que trabalham com a criação de abelhas e demonstrar como é possível a autonomia popular nos sistemas produtivos.

Amazônia Agroecológica / Nota Técnica I – Sementes Tradicionais

Com o objetivo de auxiliar agricultores e agricultoras familiares na adoção de práticas agroecológicas, a FASE lançou a Nota Técnica “Sementes Tradicionais”. Esta é a primeira de uma série de seis notas técnicas que serão lançadas por meio do projeto Amazônia Agroecológica, que conta com o apoio do Fundo Amazônia. A ideia é sistematizar informações técnicas para conservação e multiplicação de sementes tradicionais.

Chacina do Jacarezinho é mais um crime bárbaro contra a humanidade

A FASE vem à público manifestar sua indignação e exigir respostas dos órgãos competentes sobre a chacina cometida pela Polícia Civil no dia 06 de…

Dossiê Crítico da Logística da Soja

A destinação de extensões cada vez maiores de terra ao cultivo da soja, em especial na fronteira agrícola da transição Cerrado-Amazônia e no Cerrado do Matopiba, foi o fator determinante para o aumento espetacular da produção da commodity no Brasil nas últimas quatro décadas, causando devastação, grilagem de terras, violência no campo e insegurança alimentar.
O Dossiê expõe como a cadeia monocultural da soja é um instrumento político, uma cadeia que aprisiona nossa capacidade de pensar alternativas e de ter horizontes que nos apontem no sentido de outros caminhos. Analisa ainda como, associado a esse pensamento único, encontramos também um “consenso da logística”: uma ênfase em infraestruturas que viabilizem a extração e o escoamento de commodities (agrícolas e minerais), com a logística da soja estando no centro da agenda “pública” de infraestrutura brasileira nos últimos anos, em detrimento de alternativas de infraestrutura com potencial de dinamizar outras economias e formas de viver e produzir.

Cúpula do Clima: o perigo das florestas no mercado de carbono e as promessas difíceis de cumprir

A Cúpula de Líderes sobre o Clima, evento virtual organizado pelo governo John Biden, ocupou o noticiário na semana passada, reunindo representantes de 40 países,…

“Quem passa fome não pode esperar: auxílio de R$ 600, já!”

FASE comemora o apoio de 16 governadores à campanha “Campanha Renda Básica que Queremos” em favor do aumento para R$ 600,00 do auxílio emergencial.

O vírus, o lucro e a vida

Um ano de pandemia, no Brasil e no mundo, é um tempo mais do que suficiente para extrairmos ou confirmarmos algumas premissas

A volta de Lula: emoções e primeiras reflexões

Jorge Eduardo S. Durão analisa discurso de Lula após decisão do Superior Tribunal Federal sobre sentenças contra o ex-presidente

“Garantir vidas é mais importante que a economia”

Em artigo, Aercio de Oliveria, da FASE, destaca que a pandemia por Covid-19 expõe um fracasso civilizatório